junho 25, 2009

Amores Possíveis!?

Para D. &  J.

Todo amor é impossível!!! Podes crer!

No entanto, por vezes, faz-se de possível…

(e olha que ele apenas “se faz”!)

Surge de repente…

A medida em que compreendemos a IMPOSSIBILIDADE de cada UM.

  

Anúncios

05:28 de um 17 de Maio

maio 17, 2009

O que falar da vida?
(…)
(…)
(…)
(…)
(…)
Então?
(…)
(…)
(…)
(…)
O que falar!!!?
(…)
(…)
(…)
Oras…
Nada!!!!

É estranho falar mas o filme “Ensaio sobre a Cegueira”, adaptação do livro homônimo do Nobel de Literatura José Saramago e dirigido pelo brasileiro Fernando Meireles, somente começa depois que termina. Pra mim o filme começou quando ultrapassei as portas que limitam a sala escura do cinema em direção ao lado de fora… das trevas à luz…

Tentando fugir aos lugares-comuns, chavões e clichês sobre o filme… digo que enquanto estava na sala escura fiquei impressionado em não me impressionar com a sucessão de cenas… pensei… não pode… deve haver algo… na próxima cena… vai lá… é agora… alguma surpresa… alguma charada… sei lá… mas termina o filme e nada !!!

Logo que sai da sala… num desses shoppings da cidade… é que comecei a assisti-lo de verdade…

Bom… a prmeira impressão que tive… quem são os cegos de verdade…?

Na fila para o pagamento do estacionamento… só ouvia comentários do tipo… Adorei !!!… Fantástico !!! e… nada mais… o melhor comentário que ouvi foi de um casal logo atrás de mim… dizia o rapaz: – Acho que eles voltaram a ver porque tomaram champanhe no final do filme !… foi ótimo !!! Belíssimos cometários !!! Morri de dar risada por dentro !

Tomei o elevador sozinho… cheguei no estacionamento vazio… uma imensidão vazia… assustadoramente vazia… opa… o filme tá ficando mais interessante… deve ser seu clímax drámatico!

Já na avenida em direção a minha casa… fica mais assustado… novamente aquela imensidão vazia… e no rádio… uma velha balada triste no vozeirão do Elvis Presley… trilha sonora ideal… ganharia Oscar !

Foi nesse instante que começo a pensar melhor no enredo… 

Porque os cegos protagonistas do filme precisam de uma líder com visão?  Precisamos de líderes com visão? Sabemos quando esses líderes possuem visão? Assim como na estória do filme os personagens não tinham certeza disso… afinal a cegueira é completa… é geral… é genial !!!

Logo termina aquela balada depressiva e de súbito a programação da rádio é tomada de assalto por uma terrível “Propaganda Eleitoral” onde ao final o narrador… no mesmo compasso de um narrador de corridas de cavalos… se aligeira pra falar a imensa quantidade de siglas da coligação do candidato…

A cabeça gozou… pensava… pensava… pensava… delirava em orgasmos mentais múltiplos !!!

Líderes cegos pleiteando votos entre a cegueira… corridas de cavalos cegos… e cegos apostadores… eleitores?

Filme tava cada vez melhor !!!

A comida… a sobrevivência… a paixão… o sexo… comecei a pensar em tudo isto !

Como somos cegos !!!!

Não percebemos o que deveríamos perceber!!! Percepção das coisas! Cegueira total!

Até mesmo a traição… só a cometemos (seja nos relacionamentos amorosos ou na política, na religião, na escola, etc.) porque achamos que a cegueira do outro é maior que a nossa! É a incapacidade de ver certas coisas que nos mantém! Que mantém as estruturas!!!

Nisso surge na rádio uma versão muito estranha de Angel do Jimi Hendrix… perfeito… grand finale… tava pertinho de casa já…

Paro em frente ao portão… a casa apagada… a imensidão vazia… sozinho…

Desligo o motor… desligo o rádio… the end… o filme acaba…

Sem créditos finais!

CAMA!

agosto 26, 2008

Certa noite…

 

Ela disse:

 

             sou Boa disso…

 

O que disse disso?

 

       a comunhão de quem ama!

 

uma necessidade pro corpo que se inflama?

 

E que fizemos?

 

     Deixe o disse que disse…

 

Na tua, na minha ou onde você quiser!

 

                                               Disso dito…

 

                                               CAMA!

 

 

 

Desencanto

agosto 18, 2008

 

 

Dez encantos são necessários para se construir um grande amor.

 

No entanto…

 

Um único beijo de canto.

 

Ou um prévio sussurro de pranto.

 

Coloca tudo a perder.

 

E ponto!

 

.

 

 

O Chato

junho 24, 2008

‘Conheço um chato já faz algum tempo… foi na faculdade… ô lugarzinho pra conhecer gente assim… até que gosto de levar um papo com ele (de vez em quando e que isso fique bem claro!) algumas conversas não são assim tão chatas… mas juro que as vezes seus delírios depressivos me deixam um tanto chateada… depois de um certo tempo sem nos falarmos… ele me manda uma dessas mensagens de celular… outra coisa típica de gente que gosta de chatear… me convida pra assistir uma peça… sobre um poeta qualquer… só pelo título me dá arrepios… chatice na certa !!! sou educada e convido ele pra uma festa… vai que esse cara se solta e deixa de ser chato pelo menos alguns segundos… passado algumas horas… tá lá… o chato aparece… e com alguns amigos que são chatos por igual… tinha de ser… bom… a festa no fim foi legal… até ganhei um presentinho do chato… chato é assim, sempre acha que um presentinho qualquer vai conquistar alguém e levá-lo a não parecer assim tão chato… por fim deu tudo certo… tudo muito bem… poderia ter ficado assim… eu acreditando que o chato tava até deixando de ser assim tão chato… mas o pior acontece… passados alguns dias… o chato me liga… e com um terrível agravante… me liga de madrugada !!! (agora sua chatice chegou a níveis críticos! ) que pânico… o que eu vou fazer… não atender… desligar… inventar uma mentira qualquer pra desligar logo… resolvo atender (afinal ele foi bacana comigo na festa)… vai ver tá com algum problema (e o pior que gente chata tá sempre com algum tipo de problema)… que nada… com uma voz desarticulada de quem havia bebido… (outra coisa que os chatos fazem de montão só pra encomodar todo mundo!)… me pergunta onde estou e me convida pra sair… imagina só… o tamanho da chatice… quando que alguém em sã consciência sairia com um chato bebedo numa madrugada fria… nem pensar… minha sorte foi que ele deve ter ficado constrangido e desligou rapidinho… coisas de chato mesmo… mas o mais chato mesmo é que ele fez tudo isso e nem pediu desculpas… eu mereço desculpas… afinal não dá pra deixar barato… um chato não pode me acordar assim e ficar impune… certamente ele deve estar pensando uma maneira chata de dizer isso… pra mim serviria um ‘foi mal’ ‘desculpa aí’ um tapinha nas costas e tudo bem… mas sei lá… esse cara apesar de chato é legal (tá bom.. legalzinho… nada assim tão super!)… bom mesmo seria… acho que até gostaria um pouco mais dele… se ele deixasse aquela sua chatice peculiar perdida em alguma cidadezinha do interior… bem longe do meu colchão e de minha santa paciência ! Mas… sem mais delongas,(senão a chatice me pega também!) é a vida!!! Atenção chatos do mundo tenham paciência e saibam respeitar a paciência alheia!!! Eis minha quase crônica sobre este chato!’ Fim

                              Para Leon e Tadeu

Não quero a morte de Ivan Ilicht
Não quero ouvir falar em pneumotórax
Aspirina, aspartame, corticóides

Não quero a morte de Ivan Ilicht
Viver entre burocratas
Comer bolachas
Discutir no almoço de domingo

Não quero a morte de Ivan Ilicht
Ser marido fiel
Expectador fiel
Bom cristão

Não quero a morte de Ivan Ilicht
Progressão funcional
Boa educação
Casamento de papel

Definitivamente não quero a morte de Ivan Ilicht
Não desejo a sua vida
Não quero seu triste fim

Quero outra coisa!
Quero outro de mim!
Quero outra vida que não a de Ivan Ilicht!

Quero viver intensamente apaixonado pela morena que vi passar…
Quero a imensidão do céu de minha cidade.
As viagens não planejadas.
A ebriedade dos amigos.
A clareza dos sentidos…
Na incerteza dos nossos dias.
Quero milhares de pequenas alegrias clandestinas !!!

Quero, por fim, um fim que não aquele que levou o velho Ilicht.

Filme

junho 24, 2008

O poema que nunca escrevi é o que melhor descreve

O que o filme já passou, e que não vi, não vimos.

Do que tem passado…

Algo tem ficado.

 

O poema que nunca escrevi é o que melhor percebe

Que o romance que nunca foi, e que não vi, é aquele que tem inspirado

E o presente… esse sim tem passado.

Tem pecado.

 

O poema que nunca escrevi é o que melhor… melhor

O romance que senti talvez no filme tenha significado

E o futuro… esse sempre presente

Tem passado.

 

 

Não sei

No filme a vida parecia mais simplificada

Pena tenha saído de cartaz.

A la habanera

fevereiro 20, 2008

Havana, 19 de Fevereiro de 2008.

Faz tempo bom. Sol, sem nuvens. 28 graus.

Ernesto segue pela calle central senta-se em um dos cafés e abre seu jornal Granma (um dos poucos permitidos) e lê sem muito espanto a carta-renúncia de Fidel.

Logo passa em sua cabeça uma seqüência de imagens históricas… vê os revolucionários entrando em Havana, Guevara ministro, Krushev x Kennedy, Sierra Maestra, Jogos Panamericanos, os Discursos do Dia do Trabalhador, Miami, refugiados em botes esquisitos, habanos “Conde de Monte Cristo”, Hemingway, Buena Vista Social Club, Fidel ridículo de agasalho, Fidel doente, Fidel gaga, Fidel no seu fim…

Ernesto começa a refletir…  pensa profundamente… teve uma boa escolarização, cursou o ensino superior, foi atleta, goza de boa saúde…

Continua a pensar… seus pensamentos se eclipsam…

Gostaria muito de ser cabo eleitoral, colar adesivos, distribuir santinhos, torcer nos debates e por fim celebrar os resultados da votação comendo hot-dog´s e coca-cola mas tem receio…

Imagina-se envolvido em escândalos televisivos, CPI´s, Water Gate, fraudes eleitorais, cartões corporativos, desvio de recursos destinados à saúde e à educação…

Imagina seu país voltando a ter analfabetos, as universidades sendo sucateadas ou mercantilizadas, as filas nos hospitais, os surtos de febre amarela, o governo tentando aprovar “democraticamente” mais um imposto (é pra salvar a saúde justificam!) e todos alheios a tudo seguindo morrendo às pencas nas estradas após um feriadão prolongado regado a muita Cuba Libre e Mambo nas praias de Varadero…

Procura com afinco algumas certezas… certezas não vêm… irrita-se… o dia definitivamente acaba para Ernesto… joga fora o jornal e sai de cara fechada resmungando por toda a cidade sob olhares desconfiados das gineteras de plantão…

Que mierda !!!  

  

  

  

Parabólica

fevereiro 8, 2008

Quem sabe capto algum sinal
Alguma sina
Alguma capacidade de ação antes do intervalo
Antes do capítulo final
Quem sabe ainda fico sabendo algo
Respiro profundamente
Olho para o controle
Reluto entre o 12 ou o 9
Reluto entre o bem e o mal
Respiro profundamente
Mais uma vez
Vai ser dessa vez
Agora sim mudo de canal
Me mudo de canal
Este canal
Sim
Os dias de chuva atrapalham a recepção
Sintonizo em minha vida
Mas ainda está muito ruim o sinal
Ondas curtas, UHF, polarização infernal
Desligo a TV, desligo de mim, desliga de mim

Por favor

(Publicado originalmente em www.recantodasletras.com.br/autores/marciojarek)